sábado, maio 31, 2008

sexta-feira, maio 30, 2008

Nua ou coisa parecida..

"No pasa nada por enseñar un poco el culo"

Nuria Llagostera, heroína del equipo español de la copa federación de tenis El talento de esta tenista mallorquina ha facilitado al equipo español disputar el 13 y 14 de septiembre la final de la Copa Federación contra Rusia, gracias a los tres puntos que ganó en la eliminatoria con China…Nuria..., señaló que había aceptado posar desnuda para la revista 'Interviú', "para llamar la atención y que se haga más caso al tenis femenino en España". "Tampoco pasa nada porque se enseñe un poquito el culo", dijo Nuria, que añadió que "muchas deportistas nacionales lo habían hecho ya antes, y no había pasado nada, las de natación, hockey, etc. Además son fotos muy bien tratadas, apenas se enseña nada", dijo Llagostera, que ha coincidido en este asunto con la rubia estadounidense Ashley Harkleroad. (el.mundo e Interviú)

Quem não posou nu nem veio descalço de França foi Frederico Gil que entrou no MD e com mérito. Contra certos sorrisos pelo jogador ter perdido na 1ª ronda em Roland Garros, de assinalar que foi só com o “petiz" que acaba de eliminar o nº 7 do mundo «Nabaldian»;afinal Jeremy Chardy (FRA) que já não era estreante pois jogou pela 3ª vez o French Open atingindo a 2nd Round em (2006)
Gil precisa de seguir o exemplo do Stanislas Wawrinka SUI (9)


quinta-feira, maio 29, 2008

Están destruyendo Europa

Los jugadores encabezan una rebelión a bordo

Mientras los jugadores intentan ponerse a punto para pasar ronda en Roland Garros, los dirigentes de la raqueta tienen una actividad frenética para solucionar el calendario de 2009, donde ya no aparece Hamburgo como TMS. Tanto Roger Federer como Rafael Nadal, finalistas en la pasada edición de ese torneo, confesaron que “este evento debería mantenerse”. La mayoría de jugadores europeos y los sudamericanos se sienten discriminados por el actual formato, que da cada vez más prioridad a las dos giras de Estados Unidos y recorta las semanas en tierra batida. “Están destruyendo Europa, que ha sido el soporte del tenis durante muchos años. Es una forma vergonzosa de tratar a los jugadores de tierra batida”, insiste Nadal

Pare e ouça

Já não sou o único mau da fita quando sugiro que há demasiada gente sem qualidade intelectual a mandar numa das 3 modalidades mais mediáticas do universo, enganando-se ao pensar que se pode gerir ténis como se gere lixeiras a céu aberto, esquecendo-se que são os jogadores de topo que «fazem» o próprio circuito

Acresce o facto que não é só o circuito que está a ser “esganado” mas sim a própria modalidade que vem caindo qualitativamente nos últimos anos e com tendência para se agravar

As causas são as mesmas que se verificam por cá: a qualquer senhor que «no hace ni idea lo que es el tenis» permite-se que chegue a dirigente regional, técnico, árbitro…e às vezes até a presidente de uma federação nacional

Mas por cá, no Portugal dos piqueninos já se começa a sentir ventos da mudança, em que o
Manifesto Fénix é sopra da brisa: Corruptos, Incompetentes, Falsificadores e outros Seres Indefinidos, não terão lugar no Ténis decente e vanguardista que pretendemos para o futuro

Parece que esta postura já contagiou o Futebol

Liga exige salários em dia para inscrição nos campeonatos

Os clubes participantes nos campeonatos profissionais de futebol terão de entregar uma declaração certificando que não têm dívidas salariais anteriores ao dia 30 de Abril de 2008, e o documento terá de ser obrigatoriamente assinado pelo respectivo revisor oficial de contas

quarta-feira, maio 28, 2008

Não brincam…

Alguns desabafarão: que “nos” importa o que se está a passar em Espanha com o Ténis?
Provavelmente nada, mas serve par reflectir sobre o que é uma modalidade que se afirmou e se afirma tanto pelos resultados como pela postura dos “Homens”
La idea generalizada es volver a la calma antes de que lleguen las semifinales de la Copa Davis contra Estados Unidos (Las Ventas, 19 a 21 de septiembre), por la trascendencia que para el deporte español tiene.

Duvido que por cá “esses” atributos caibam a todos aqueles que ao longo dos últimos tempos têm liderado a modalidade nem vejo em Espanha “armadilhadores” ou “estudantes com mesada” a dirigir federações territoriais!
Por lá só são solidários com um presidente enquanto este merecer, enquanto por cá um presidente federativo que afirma que o nosso ténis está ao nível dos outros!

Cuales?...si una golondrina no hace verano…

SEIS ESPAÑOLES ENTRAN EN SEGUNDA RONDA Tommy Robredo, Marcel Granollers, Fernando Verdasco, Oscar Hernández, Pablo Andújar y Guillermo García López pasaron a la segunda ronda
CARLA SUÁREZ fue la primera tenista de la 'Armada' en su versión femenina en lograr el pase a la segunda ronda de Roland Garros

…podia elucidar, porque fico com dúvidas sobretudo quando Matias, depois de andar ½ dúzia de anos fora dos courts (a trabalhar no que decidiu para a sua vida), faz um brilharete no Cantanhede Open
(Depois de eliminar o primeiro e quarto cabeças-de-série, Hugo Anão e Vasco Antunes, respectivamente, Nuno Matias impôs-se, esta tarde, a José Ricardo Nunes, terceiro favorito, por duplo 6/4, na final masculina do Cantanhede Open - prova do Circuito FPT / CIMA, inserida na categoria ‘Super-Série’, com prize money de cinco mil euros)
…ou ainda em matéria de calendário, onde se coloca o torneio (isolado) de Braga em terra batida antes de Amarante disputado em piso duro…talvez pelo que se passa por cá se recomenda leitura do que está ao rubro no país vizinho

Lá não brincam…como por cá

elmundo.es
Agustí Pujol pide la renuncia o remoción de Muñoz para salvar tenis

Marca.com
EL MARTES SE REUNE EN MADRID CON LAS TERRITORIALES
La junta directiva pedirá a Muñoz que se vaya
JOAN SOLSONA / Hamburgo Los dos vicepresidentes de la Federación Española de Tenis, Joaquín García y José Antonio Senz de Broto, fieles a Pedro Muñoz hasta la ruptura de éste con los jugadores profesionales y los ya famosos mensajes de móvil, han convocado una reunión el próximo martes en Madrid entre los miembros de la junta directiva y todos los presidentes de las territoriales para definir la postura con respecto a Muñoz.
La mayoría de dirigentes pedirán su dimisión, acogiéndose a la frase del mandamás del tenis nacional en la que dijo que sólo se iría en caso de que los mismos que le votaron se lo pidieran. “Si mi directiva me pone en entredicho, me iré”, dijo Muñoz antes de que salieran a la luz pública los SMS que envió a los jugadores y técnicos. Un notario tomará acta de todo lo que pase. En caso de que no se llegue a una salida consensuada, se votará una moción de censura que aún abriría más la brecha existente en el deporte de la raqueta.
La idea generalizada es volver a la calma antes de que lleguen las semifinales de la Copa Davis contra Estados Unidos (Las Ventas, 19 a 21 de septiembre), por la trascendencia que para el deporte español tiene.

Quejas de la delegada
Mientras tanto, tres de los 15 miembros de la comisión delegada de la RFET, Carlos Mercé, Juan Antonio Peña y Antonio Grañena, enviaron el viernes un comunicado a sus compañeros de junta para mostrar su disconformidad con la carta que mandó la Federación sin consultar a la gran mayoría.
En el escrito de Mercé, Peña y Grañena se defiende a los tenistas. Ésta ha sido la gota que ha colmado el vaso y por la que muchos de los hombres de confianza de
Muñoz le han pedido públicamente y en privado, ya sea por teléfono o por carta, que deje el cargo. “Lo mejor que puedo hacer es marcharse porque no se puede mentir tanto a los profesionales”, cuenta Manolo Galé, presidente de la Federación Asturiana y que rompió su relación personal con el máximo dirigente cuando éste se cargó a Juan Avendaño del CAR de Sant Cugat a finales del pasado mes de septiembre. Y no es el único que tiene el mismo sentir.
Como se recordará, MARCA descubrió en exclusiva el pasado jueves que un mínimo de once directivos desconocían la existencia de la nota oficial, que, por cierto, sigue colgada en la página web federativa


segunda-feira, maio 26, 2008

Dignidade ou ultimato?

O Presidente da RFET Pedro Muñoz comprometeu-se a não se apresentar às próximas eleições, mas a dúvida depois do que escreveu nos SMS que envolve também treinadores e federações, é se esta tomada repentina de decisão, se prende com a dignidade com a pressão governamental ou ainda porque…como se pode ler na “MARCA.com

MARCA
25/5/08
Las federaciones territoriales exigen la dimisión de Pedro Muñoz
CONSIDERAN QUE EL PRESIDENTE DE LA RFET DEBE DEJAR EL CARGO LO ANTES POSIBLE
Los representantes de las federaciones territoriales acordaron pedir la dimisión del actual presidente de la Real Federación Española de Tenis, Pedro Muñoz, por las grandes diferencias que mantiene con los principales tenistas, acentuados tras la designación de Madrid como sede de la eliminatoria de semifinales de la Copa Davis. Los representantes de Asturias, Navarra, País Vasco, Cataluña, Andalucía y Castilla y León se reunieron en Madrid para unificar posturas y hacer pública su decisión. Todos ellos contaron con el apoyo, por escrito o telefónico, del resto de federaciones.
Manuel Antón, presidente de la Federación Castellano-Leonesa, explicó que los representantes de las territoriales "solicitan, en el plazo más breve posible, la dimisión del presidente por considerar que los hechos han puesto en evidencia su incapacidad para seguir representando al tenis español en cualquier ámbito", tal y como se confirmó, posteriormente, en un comunicado oficial. "Ante la situación de inestabilidad e inquietud generado en el tenis español a raíz de los últimos acontecimientos que han trascendido al público en general y ante el clamor popular que se pregunta cómo es posible que el señor Muñoz siga presidiendo la RFET después de los sucedido, los representantes de las territoriales presentes en Madrid, con el apoyo de otras tantas federaciones que nos lo han ratificado por escrito o telefónicamente, desean poner de manifiesto su intención de solicitar en el plazo más breve posible la dimisión al señor presidente", dice el escrito. El comunicado añade que "los hechos han puesto en evidencia su incapacidad para seguir representando al tenis español en cualquier ámbito, ya que ha perdido su credibilidad y la confianza y el apoyo de la mayor parte de los representantes del tenis español".
Los representantes de las territoriales mantienen la confianza de que la salida de Muñoz suponga la unidad del tenis. "Esperamos que a partir de la salida de Pedro Muñoz de la presidencia de la RFET la unidad del tenis español pueda ser un hecho en un futuro próximo". Antón reconoció que si "el presidente de la Federación Española Pedro Muñoz se va mañana mismo, nosotros estaremos encantados.
Esperamos que esto dé paso a reuniones que fructifiquen en la unidad del tenis", dijo el presidente de la Federación Castellano-Leonesa, que anunció que el próximo sábado volverán a reunirse en un hotel madrileño
.


De uma forma ou outra a atitude do senhor Muñoz ou a pressão que também os “media” impõem, que sirva de reflexão a certos dirigentes da nossa praça, motivando-os a fazer as malas e “largarem-se” do ténis, para que por cá a modalidade comece a Ganhar

26/5/08
elmundo.es



NO SE FÍAN DEL PRESIDENTE DE LA RFET
Los tenistas endurecen su postura hacia Muñoz
Nicolás Almagro, en su primer partido en el Roland Garros.

PARÍS.- Las posturas de los jugadores españoles de Copa Davis se mantienen prácticamente en el mismo punto desde que hicieron oficial una nota pública durante el torneo de Roma, y tras iniciarse Roland Garros, no han encontrado tiempo para reunirse y deliberar, aunque varios de ellos expresaron hoy que siguen firmes.
Tras recibir las ofertas de la RFET llevadas a tres lugares, Elche, París y Dusseldorf, por el secretario de Estado para el Deporte, Jaime Lissavetzky, a los tenistas les corresponde ahora el turno de decidir si aceptan, matizan o rechazan el borrador, en el que no figura la firma del presidente de la RFET, Pedro Muñoz.
"Tras la reunión con Lissavetzky, no nos convenció nada de lo que nos dijo", señaló Nicolás Almagro. "Sabemos que nuestra postura es dura, pero es la que hemos adoptado. No vamos a firmar nada, nos reuniremos de nuevo", dijo.
Para Almagro la cosa está muy clara. Él no ha vivido la primera etapa de las destituciones de los capitanes de Copa Davis, Juan Bautista Avendaño, José Perlas y Jordi Arrese, por ejemplo, pero se deja guiar por la experiencia de sus compañeros de más edad."Yo me fío de ellos porque soy el último que ha llegado aquí, el último mono que ha cogido la piña, pero estamos unidos y no nos sentimos respaldados por él (Muñoz)", dijo.
"El vaso se va llenando y al final la última gota hace que se derrame", añadió Almagro que, no obstante, quiere que en París este tema no sea el principal. "Tenemos que dejar todo esto un poco aparcado. Somos tenistas y tenemos que jugar al tenis", dijo.
Para Carlos Moyà, uno de los más implicados en esta polémica con el presidente de la RFET, nada ha cambiado: "Las posturas siguen siendo iguales, pues una de nuestras demandas es que no dijera nada a partir de un momento, y el otro día sale diciendo que tiene el 98 por ciento de los votos y atacándome a mí y a Feliciano", dijo, y añadió: "Nuestra postura sigue siendo la misma, no ha cambiado nada".
Moyà comentó que todos estos incidentes durante las dos últimas semanas no han afectado a su tenis, ni han tenido que ver nada con la derrota de este domingo ante el argentino Eduardo Schwank, ni siquiera el escabroso tema de los mensajes al móvil. "Fue más una diversión y me hizo pasar un rato simpático, y viniendo de quien venía te lo tomas a risa", dijo.
Los diferentes horarios de entrenamientos, partidos, y circunstancias personales de los jugadores hacen difícil que todos ellos se puedan reunir y deliberar. "Si fuera un Masters Series, sería algo más fácil", comentó Antonio Martínez Cascales, "pero aquí va a ser algo complicado".

Edital
cap.2

Não é propriamente motivo para Notícia a aprovação do relatório e Contas da FPT, porque como se sabe se não fosse aprovado lá as Associações Regionais não receberiam as verbas provenientes do IDP, que depois são redistribuídas, desconheço se no momento também pelas Associações representativas dos Jogadores Árbitros e Treinadores.
Notícia seria escrever no site da FPT que devolveram o dinheiro aos espanhóis titulares das licenças de Lousada (1450 x $$$/cada) e outras que deveriam também ser retiradas

“O JOGO”

As dúvidas de Gastão http://www.ojogo.pt/24-95/artigo721192.asp

O melhor ranking no adeus a Paris http://www.ojogo.pt/24-95/artigo721190.asp

Guga disse adeus em lágrimas http://www.ojogo.pt/24-95/artigo721191.asp


domingo, maio 25, 2008

Cristiano Ronaldo x Evgeni Plushenko

Se a Rússia levou o «Copiosíssimo patinador» Evgeni Plushenko a dançar, porque razão a Vânia não teve o Cristiano Ronaldo a dar uns toques na bola?


Los SMS de la discordia


PEDRO MUÑOZ não será presidente da Federação Espanhola de Ténis nos próximos 4 anos!!!
Não se pode afirmar que o mundo está em chamas mas que por cá a FPT arde não há dúvida Se não bastasse o que se sabe pelos corredores da insatisfação veio a direcção federativa argumentar através do editorial o que não tem argumen

O falhanço é evidente, só que não é culpa de uma só parte. Algumas associações, beneficiando da inércia das outras, contribuíram soberanamente para a deterioração da modalidade com raras e honrosas excepções, como comprova os resultados de 2/3 jogadores

Parabéns Frederico Gil pela entrada no MD de Roland Garros independente do resultado da 1ª ronda (Jeremy Chardy (FRA) def Frederico Gil (POR) 6-3 6-2 7-6(1)

Mas ténis não é só o resultado dos jogadores, razão da afirmação…mas mesmo noutras árias a situação não é famosa.
Muitos têm a tentação de dar como exemplo Espanha para mostrar que são «experts», desconhecendo que até fora do court, a diferença é abismal, bastando para tal analisar friamente o que se está a passar com
«nuestros hermanos» que colocaram o Presidente da RFET a ferro e fogo com frases como:
«marca.com»
(Nadal): hemos terminado com Pedro Muñoz
«elmundo.es»
(Nadal): nos há mentido desde que es presidente hasta hoy
(
Moya): deja la presidencia y métete a humorista

Não há direitos estúpidos de resposta como por cá, mas uma intervenção da Ministra de Educación Politica Social y Deporte, Mercedes Cabrera que inteligentemente deixa claro não querer que a polémica que opõe os jogadores (Nada,Moya,Ferrero, Ferrer, Verdasco,Lopez,Almagro, Robredo) prejudique o desempenho da selecção no encontro contra os USA
Mas quem não está pelos ajustes é
(Juan Carlos Ferrero) quando afirma: «se tiene que ser por la via menos buena será por esa «elmundo.es»

Declararam os jogadores que com Pedro Muñoz a presidente “jamás”; e para que não houvesse dúvidas tornaram público mensagens do presidente, que salvo melhor opinião, de sensatas nada têm para além de entrar por caminhos proibitivos sobretudo a quem ocupe cargos de relevo
Manolo Santana ficou alucinado depois de conhecer o conteúdo dos SMS de Muñoz para os tenistas que afirmou: “esto se está saliendo de madre” «elmundo.es»

Los SMS de la discórdia!!!
Li mas não publico, mas que a coisa se pôs negra não há dúvidas que
Jaime Lissavetzky, Secretario de Estado para el Deporte se deslocou a Dusseldorf para falar com os jogadores

MARCA.com
23.05.2008 - 20:32h..
LA DECISIÓN FINAL SE TOMARÁ EN PARIS
Los jugadores tienen la última palabra en el conflicto con Pedro Muñoz

Jaime Lissavetzky, secretario de Estado para el Deporte, cerró el viernes en Dusseldorf la ronda de entrevistas con los jugadores de Copa Davis para solucionar el conflicto abierto entre estos y el presidente de la Federación Española de tenis, Pedro Muñoz, y ahora es el turno de los tenistas para aceptar o no las cláusulas presentadas…
…para los jugadores, el objetivo principal se ha conseguido. "Pedro Muñoz no nos representará en los próximos cuatro años", dije Feliciano, tras la reunión. "Lo que nosotros queríamos con esta propuesta que nos han traído lo hemos logrado de una forma u otra. Es una propuesta en la que se pueden matizar cosas. Pero él (Muñoz) no se presentará a finales de año".
"Tenemos que ver si aceptamos"…

(extracto)
«elmundo.es»
Decisión de Muñoz de no presentarse a la próxima reelección para presidente da Federação Española de Ténis
FERRER: 'SIN MUÑOZ GANAMOS NOSOTROS Y GANA EL TENIS'
(extracto)

«Sin palabras» mas pensando nos nossos dirigentes!
Alguns desde há muito colocaram quem lhes deu/dá o pão para o ego e nalguns casos para a boca, abaixo da linha «M»

Não foi este Muñoz que esteve em Lousada no lançamento da 1ª pedra, com o actual presidente da FPT e o da ATPorto, que também mentem desde o início?
Não esteve presente o
presidente da F da Galiza?
Terá sido neste encontro que combinaram a jogada das licenças Galaicas concentradas no “LOUSADA TA”?

A diferença de lá (Espanha) para cá, não se prende só com o ranking ATP ou WTA, mas também porque os espanhóis não vão em cantigas, nem mendigam bónus.
Verdadeiramente construíram uma sociedade profissional com a capacidade reivindicativa e com o poder que lhes advém de pagarmos para os ver jogar
Também sabem que a comunicação social vende porque eles existem, são notícia…
Deles não se “publica” o que quer que seja, sem terem o direito de se defenderem
Quanto a
D Muñoz o que poderei dizer…direi depois…

Próximo post: Dignidade ou ultimato?

sexta-feira, maio 23, 2008

Afluenza - declarações do S-G

Conti… Notícias do ténis MAIO 2008

Com tantos Eventos...em termos de público foi muito bom”

José Santos Costa, Secretário - Geral da FPT, fez o balanço no que respeita à organização, logística e exposição mediática da eliminatória entre Portugal e Tunísia, onde desempenhou as funções de Director de Prova terminado de forma intocável:

Em termos de exposição mediática as atenções dispersaram-se, durante um fim-de-semana atípico. "Com tantos eventos desportivos [Estoril Open, Grande Prémio de Moto GP e Campeonato da Europa de Judo] desta qualidade é normal que a RTP não tenha estado o tempo que certamente desejaria na Taça Davis, mas mesmo assim em termos de público foi muito bom", concluiu o Director de Prova.

A
disponibilidade da RTP em relação com o público?
O Secretário Geral e D. Prova a misturar o Mundial de Nações em Ténis e Europeu de Judo com provas particulares
Grande Prémio de Moto GP, e ainda o Estoril Open que por si só contribuiria para uma maior curiosidade do público em saber como estavam os nossos Ases
Se a direcção da prova tivesse capacidade para dinamizar e divulgar o evento não teria numa espécie de lavar dos cestos, reconhecer o fracasso em matéria dos média, e do público também porque deu para ver a fraca assistência presente, o que só prova que afinal o local não foi bem escolhido e a capacidade negocial ficou por baixo:
Do ponto de vista logístico, não tendo a Federação um departamento especializado na organização de eventos, que inclua armazéns para material, colocação de publicidade e gestão dos alojamentos e transportes, temos sempre de contar com a boa vontade e o apoio de terceiros. Neste caso, o Clube de Ténis do Estoril foi, uma vez mais, um excelente parceiro e recebemos ainda apoio da ‘Lagos Sports’, no que respeita à montagem da publicidade e bases dos juízes de linha", acrescenta.
A Federação não tem um departamento logístico?
Como se afirma «isto» quando a federação é um organismo por excelência de Logística!
Quanto funcionários, técnicos e “gente” que se governa à grande e à francesa com o ténis federativo, gravita em Linda-a-Velha?
Porque não chamaram os que já provaram “de serem e terem” competência para a realização de grandes eventos

De acordo com o Secretário - Geral da FPT, "para Portugal é sempre complicado organizar uma eliminatória da Taça Davis. Principalmente neste Grupo II, no qual as despesas são superiores às receitas. Num país com pouca tradição de investimento particular no Desporto (patrocinadores), aliado ao facto de a ITF não permitir grande abertura nos domestic sponsors, limita-se naturalmente a capacidade organizativa".


Não complicado é receber verbas ou ver escrito no site FPT que as "despesas são superiores às receitas" (sendo… de difícil a abertura aos patrocinadores nacionais…os mesmos que eventualmente também não se chegaram à frente para pagar os bónus do Masters aos jogadores) ou já se cumpriu o prometido para Abril?
Como realizaram o Evento, quem pagou o diferencial, ou quem irá pagar o défice…Será que «afinal» a Davis Cup não dá prejuízo?

Será esta por acaso que a FPT tem permitido que se possa considerar a imagem “pinoquiana” ilustrativa do ténis Institucional que tem grassado no Portugal dos Pequeninos?




quinta-feira, maio 22, 2008

Hamburgo

6ª feira Afluenza declarações do S-G
Conti… Notícias do ténis MAIO 2008

Meraviglioso

La Lontananza

Ma come hai fatto

Dio come ti amo

quarta-feira, maio 21, 2008

Notícias do ténis MAIO 2008

Sobre o que a Federação publicou não posso deixar de focar 2 aspectos que considero relevantes para definir o que é hoje o estado da federação de ténis (o editorial e as declarações do S-G)

I
EDITORIAL
Maio2008

O novo regime das federações desportivas está aí a bater à porta. Tem sido alguma a discussão pública sobre o tema, o que é positivo. As mais das vezes, os ecos que chegam centram-se no futebol. No ténis também vai ser necessário fazer adaptações e será uma boa oportunidade para proceder a uma revis ão dos Estatutos e do Regulamento Administrativo.
Para essa revisão ser rigorosa e eficaz é necessária a participação e o empenho de todos – Direcção e restantes órgãos sociais federativos, Associações Regionais, Associações Representativas de Jogadores, Treinadores e de Árbitros. Mais do que isso. É necessário criar o maior consenso possível sobre as alt erações a introduzir. As alterações estatutárias e regulamentares precisam de ser compreendidas, apreendidas e bem aceites para serem eficazmente aplicadas. Portanto, o esforço tem de ser de todos.
Isto não significa que não devamos ser exigentes no estabelecimento e cumprimento das novas regras que vierem a disciplinar o ténis. É justamente para se poder ser rigoroso no cumprimento que é necessário criar, desde já, as condições para se obter o máximo consenso sobre as soluções a adoptar.
Não é certamente tarefa fácil. Os interesses nem sempre serão coincidentes. Mas é necessário colocar o interesse do ténis acima de tudo. Quer os Estatutos, quer o Regulamento administrativo, precisam de ser melhorados e clarificados. É necessário torná-los mais inteligíveis, coerentes e de mais fácil aplicação.
Não mudar por mudar, mas alterar onde, de facto, se mostrar necessário. A Direcção da Federação está pronta para ajudar neste processo de revisão e para poder reunir os contributos de todos. Mas a competência para aprovar as alterações é da Assembleia-geral ou seja, das Associações Regionais e das Associações Representativas de Jogadores, Treinadores e Árbitros. Há certamente várias matérias que devem ser repensadas.
Entre outras, a representatividade, as competências dos órgãos sociais, o licenciamento federativo, os direitos e deveres dos clubes, a disciplina e o regime dos protestos e recursos. Nestas e noutras matérias é possível melhorar. É necessário criar mecanismos dissuasores do incumprimento – esses mecanismos devem funcionar (quase) só por si.
Este ponto é crucial, porque o sentimento de que a maioria cumpre é o melhor caminho para o cumprimento de todos. Há muitos índices que demonstram ser possível catapultar o ténis em Portugal. A estrutura organizativa é fundamental. O licenciamento de todos os jogadores, praticantes, treinadores, árbitros e dirigentes também é crítico – já se caminhou alguma coisa, mas é necessário fazer ainda mais.

José Maria de Albuquerque Calheiros

Vice-Presidente

À 1ª não percebi rigorosamente nada do que se pretendia neste Editorial dizer!
Da 2ª fiquei com a sensação que se estava a fazer mea culpa da incompetência que tem acompanhado a actual direcção federativa!
Na 3ª leitura comecei a perceber um certo temor sobre as associações e o que elas podem de mal fazer À FPT e ao ténis Nacional
À 4ª tentativa ficou claro que o vice JMAC, reconhece publicamente que há quem não cumpra
quando afirma: (Este ponto é crucial, porque o sentimento de que a maioria cumpre é o melhor caminho para o cumprimento de todos). Sentimento ou verificação?
Por fim, e à 5ª era de vez porque estava a ouvir Neil Diamond na canção SONG SUNG BLUE
, dei por terminada a leitura, concluindo:

Azul não é o panorama da Federação, apesar de numa 1ª fase pensar «temos homem»; talvez o convide a ser um dos meus Vice-presidentes, só que cheguei à conclusão que o senhor “de Albuquerque Calheiros” para além de estar a escrever ou assinar um editorial que devia ser escrito e assinado pelo presidente C. Sampaio, nada trouxe de novo.

Nem sequer descreveu o que não tivesse já sido escalpelizado “Blogamente” e no jornal “O JOGO”, de forma clara e sem "mariposas" do tipo «já se caminhou alguma coisa, mas é necessário fazer ainda mais» sem indicar quantos passos se deu e em que direcção


segunda-feira, maio 19, 2008

Yes Minister

Até os gatos riem...Visitas ao nosso sítio” tenho muitas e só em 2008 foram, do Ministério da Justiça (1) 18/2; Ministério Administração Interna (2) 28/4; 10/4 Direcção Nacional da Policia de Segurança Pública (12) 8/4; 7/4; 3/4; 2/4; 1/4; 31/3; 19/3; 17/3; 13/3; 12/3 11/3; 10/3 Secretaria-geral do Ministério da Defesa Nacional (1) 28/3, bem como de outros locais de rede, envolvendo diversas instâncias, justificadas pelo teor das acusações que foram aqui produzidas, (e continuarão a sê-lo desde que existam irregularidades ou atitudes que lesem a modalidade), muitas das quais com origem na comunicação social.
Falta-me ainda a visita do Ministro da Solidariedade e Segurança Social, a quem terei todo o prazer de esclarecer certas afirmações feitas por aí; a seu tempo o farei, mesmo que não me contacte

Mas o que pretende saber o senhor Ministro das Finanças (que não consegue) nas visitas ao Blog?

Só em Abril foram 9!
(dias 30; 29; 28; 24; 21; 14; 11; 9; 8)
Local de rede Ministro das Finanças

Nada conseguiu?
Que tal tentar outra via…porque fica para mim ser expectável o Ministro das Finanças ou quem o representa sentir curiosidade em saber se o Fisco anda a ser burlado

Compreendo a curiosidade por isso peço que compreenda também, que como Candidato a Presidente da FPT não estou interessado que a instituição seja confrontada com a acusação de Burla ou Fuga ao Fisco, e muito menos acusada do que nunca farei, razão porque gostaria de lhe colocar perguntas simples, tais como:

- Se as licenças pagas por atletas, as taxas de inscrição de jogadores em campeonatos nacionais e regionais ou torneios inscritos no calendário nacional estão isentas de IVA
- Se as taxas do seguro que os atletas pagam ou deviam pagar, as inscrições de torneios nas associações e na federação estão incluídas na mesma dispensa

Se estão, era um acto de solidariedade nacional isentar os pobres do IVA na compra do Pão e do Leite, isto se não alterar o equilíbrio orçamental, dado o crescente número de membros da classe em Portugal porque nesta vida todos têm direito a rir
Referenciando o resto, se quer saber qualquer coisa que ainda não foi apresentada neste espaço, terei todo o prazer de lho confidenciar, mas só depois de V. Ex.ª perguntar ao Director das Finanças do Porto o que se passa com a queixa apresentada à Polícia Judiciária, contra a A.T. Porto por a falsificação de documentos para efeitos de IRS, que a aquela polícia remeteu em tempo mais que oportuno para a Direcção de Finanças conforme ofício de
12/09/07 em aditamento à exposição de 21/11/06, dando conhecimento em 21-SEP-07 do despacho exarado na mesma, a Adolfo Inácio Castelbranco Oliveira

Falsificação para mim é, sempre se, mesmo que, independente de, Milhões, Tostões ou Mediatismos
Senhor Ministro: quer dialogar?


domingo, maio 18, 2008

Batalhas fora do Court


Rafael Nadal vence Hamburgo como era de esperar por 7-5, 6-7(3), 6-3

Mas a luta mais firme deste jogador e que tudo indica de final imprevisível, é contra o Presidente da Real Federação Espanhola de Ténis, após este ter dado o dito por não dito em matéria que não se trata com leviandade e levar com um (O presidente mente desde a 1ª hora), e m que Emílio Sanchez capitão da Davis colocou o lugar à disposição

No entanto pela 2ª vez consecutiva, o encontro com Federer é marcado por uma estranha forma de se desenrolar

Roger vencia o 1º set acaba por perder 7/5, e desta vez não consegue fazer mais nenhum jogo dos 6 que se seguiram após estar a vencê-lo por 5/1

ancora vivo


Próximo artigo “Yes Minister”

sexta-feira, maio 16, 2008

Cartão amarelo à FPT

Apresentados os artigos sobre o Passeio a Fátima tenho a certeza que sabem que uma federação com estatuto de utilidade pública (ou sem ele) não é propriamente uma espécie «stand-up»

Entendo que depois de certas afirmações do presidente da direcção, não terão (pelo menos o presidente) no estado actual a que chegou a instituição, condições para evitar certos espectáculos
Para não dizer que são, porque não tenho provas, eventualmente serão, cúmplices de ilegalidades

Sem explicação pública, permitem que se retire as licenças de Lousada para efeitos de (?), e talvez por ignorância deixam dentro outras tão ilegais quanto as primeiras a comparticipar no aumento do número de federados, para IDP pagar…sem ver
São na minha opinião, parceiros na aceitação (por omissão de posição ou interesse) da existência de clubes extintos ou ilegais a votarem em A.G

Os
senhores tinham conhecimento que alguns desses clubes foram retirados das listas para efeitos e votação, pela direcção anterior, nas eleições que V. venceram em 2005
- Porque permitiram que voltassem a integrar as mesmas listas?
- Foi para aumentar o peso de votação de certas associações, (as mesmas que hoje estão reconhecidas pela prática de ilegalidades), como forma de retribuição do apoio dado?

Consciência a mim não me pesa nem pesará; é tipo de compromisso que não aceito
Estarão provavelmente os senhores da “fede”, reféns do voto dum conjunto de associações, unidas até ver, e que têm manobrado o ténis a seu belo prazer deixando a modalidade e a instituição federativa na situação de acusada de ser permissiva a ilegalidades, com as consequências que se verificam no momento actual em que

Desportivamente a modalidade está uma calamidade acompanhando a tendência internacional
Financeiramente estagnada com o fracasso estrondoso da campanha de filiados e gastos absurdos em programas que conduzem ao fracasso qualitativo
Nivelada num patamar jamais atingido, conquistando o ceptro da ilegalidade em nome do puro amor

Inequivocamente têm das associações conhecimento nulo
Desvalorizam os princípios que devem nortear a existência da federação
Esqueceram o compromisso moral a que estão obrigados pela força existencial da modalidade
É mau de mais para ser verdade; é mau de mais para passar impune este tipo de ilegalidades
Podia ser para rir, mas envolvendo coisas tão sérias também não dá para chorar

Resta agir e com firmeza

Tirem as conclusões que quiserem, mas se ainda for possível, actuem de forma inequívoca demonstrando que se demarcam do conjunto de ilegalidades que têm atingido o ténis em Portugal

quarta-feira, maio 14, 2008

Subsídio Mínimo Garantido

Acredite senhor Ministro da Solidariedade e da Segurança Social que cheguei a pensar tratar-se de brincadeira fazendo chacota com o seu Ministério e o «controverso para quem não precisa» Rendimento Mínimo Garantido

Mas estamos perante outra realidade
Depois de se ter colocado a irresponsável hipótese de «querer» acabar com algumas Associações, ainda no tempo em que estava por dentro do aparelho e assistia às reuniões de direcção e A gerais associativas/federativas, vem agora alguém propor a atribuição às Associações Pequenas (!) uma verba de 2250 euros anuais, para efeitos inacreditáveis, a rever em função de resultados obtidos…

Uma proposta desta natureza feita anos atrás poderia parecer genuína e decente acaso fosse apresentada por alguém decente e generoso; hoje fica a amarga sensação de tratar-se de uma tentativa de insulto à inteligência dos mortais, apresentada com angelical aparência de bom samaritano

E de que saco azul se retiram tais verbas?
Retiram aos clubes das associações maiores?
Que metas/objectivos terão os pequeninos de cumprir?
Filiar os Aragoneses ou os Extrémenos?
Se não atingirem as metas extinguem as associações?
A que tribunal recorrerão?

Fiquei esclarecido
!
Contudo não me admirarei que numa das próximas Assembleias se aprove um artigo adicional ao regulamento administrativo estatutos ou ao regulamento de provas, com vista a criar 1ª 2ª e 3ª divisões para as Associações, onde dependente da sua classificação de «pequenas ou grandes», assim os seus filiados poderão participar em Provas/torneios A B e C, e em que os campeonatos regionais dessas Associações serão consideradas provas do nível C.

Lamento que ainda dêem tempo de antena a soluções desta natureza, quando a FPT devia avançar com uma queixa-crime contra quem promove ilegalidades
Certamente a Direcção federativa terá a soberba oportunidade de esclarecer, em documento legal, o que é uma Associação pequena!

Se uma associação com 3 clubes Regulares e 150 licenças Legais ou outra com 2 milhares de licenças Falsas, e que envia listas para efeitos de AG da FPT contendo o nome de clubes extintos ou inactivos

Não se pode aceitar que uma Associação se auto outorgue o poder de julgar as outras, ou tenha o direito moral de fazer juízos de valor sobre grandeza, agravado por ser sugerido por quem tem vivido paredes-meias com ilegalidades

Questiono-me se acaso a A.T. Porto recebesse a percentagem correspondente às licenças dos espanhóis, investiria em torneios na Galiza, ou oferecia aos galegos estadias gratuitas para dinamizar o complexo de Lousada

A Presidência da Câmara de Lousada perante isto tudo, e agora que afinal já não tem os milhares de espanhóis para justificar os 16 campos de ténis e sabe que é do conhecimento geral que o clube de Lousada tem a sua sede no Porto, poderia sair a terreno defendendo o protocolo assinado em 2007 apresentado pela associação do norte no relatório referente a 2006

Arriscam a pensar-se que tinham conhecimento dos factos, até porque o presidente da FPT e da Real Federação Espanhola de Ténis estiveram em Lousada para o lançamento da 1ª pedra de um complexo que era para ter inicialmente 6 campos dos quais 2 campos cobertos; que transformação quando todo o mundo em Portugal já percebeu que o ténis tem sido marcado por um certa estagnação

A dúvida que me assalta é se essas entidades não sabiam o que estava planeado ou se são coniventes com ilegalidades; quanto à FPT, ela não pode argumentar ser cega surda e muda no caso das licenças de Lousada que motivaram todo este despropósito de propostas impróprias, mas não me compete averiguar seja o que for

Falando finalmente no que chegou ao meu poder, em papel, e com tudo o que se tem passado desde 2004, tornou-se claro que se está perante o que de mais grave até hoje foi proposto no seio da modalidade

Quando anteriormente abordei o tema Raquete Dourada, não andava longe do que está a acontecer; mas por muito negro que o quadro se apresentasse, não podia imaginar que se chegaria ao ponto de avançar com uma verba para calar a indignação

2250 €/ano será o preço adequado para pagar o silêncio das Associações que têm actuado legalmente?

Senhor Procurador-geral da República

Estaremos perante tentativa escondida de Suborno?

Senhor Primeiro-ministro

Em que edifício morará a Justiça na...

segunda-feira, maio 12, 2008

E os títulos


E NON SARÀ UN BASTONE NÈ IL FUMO D’UN FUCILE, A FARE FORTE UN UOMO, A FARLO MENO VILE... no MANIFESTO FÉNIX só se aceitam, clubes reais com os relatórios e as contas legal e regularmente aprovadas em cada ano, pagamento da taxa de filiação em dia, licenças assinadas pelos titulares e renovações confirmadas e verificadas por documento sério, quer sejam residentes ou não

No Futebol entrou-se na era do Apito Final com clubes a descer de divisão e com risco de desaparecer por decisão da justiça, e com o Apito Dourado na recta da meta, todos a quererem dizer que o rei não vai nu e as autoridades desportivas a alertarem os descrentes que já se paga caro pelas ilegalidades; comparar o que se tem passado e se está a passar no Ténis, com os Apitos, tenham a cor que tiverem, é jogar ao monopólio
È que se o Boavista está em risco de desaparecer, a FPT pode ser que seja riscada do mapa

Dando continuidade à estupefacção face ao que se tem descaramento de escrever, a retirada das licenças de estrangeiros não residentes proposta na reunião de Fátima não pode ser só para certos efeitos
A concretizar-se a retirada, e não resta outra alternativa à Federação senão manter a decisão já tomada, como ficam os clubes que participaram nos Campeonatos Nacionais de Equipas com estrangeiros não residentes, contratados e inscritos legalmente pelos clubes?

Abre uma excepção
Devolve o dinheiro aos clubes?
Faz o mesmo que no caso da Póvoa de Varzim?
Atribui os títulos aos clubes que só tinham residentes?
Esquece a irregularidade?
Vicia os resultados?
Anula os Campeonatos?

Se não retiram as licenças dos jogadores estrangeiros dos Inter-clubes, não podem retirar as outras e a Polícia Judiciária deve intervir, evitando que o Consulado ou Embaixada dos países desses não residentes peça explicações ao Governo Português, pois tudo indica haver falsificação de documentos, independente da incredível justificação que foi dada a um órgão de comunicação social (justificação em papel timbrado de associação desnorteada onde parecem insinuar que não quiseram distribuir as licenças da Galiza por vários clubes razão porque foi tudo para Lousada TA clube que afinal tem sede no Porto e num edifício do estado, e sendo inequivocamente uma forma de reconhecimento de ilegalidade)

Se retiram só as licenças da Galiza, estar-se-á perante o reconhecimento da tentativa de ilegalmente aumentar a percentagem que cabe a cada associação, para receber mais dinheiro da FPT, esquecendo esta instituição que tem o Estatuto de Utilidade Pública, obrigada a responder perante o Estado por ilegalidades cometidas em sua representação

A direcção da FPT não pode aludir desconhecimento dos factos porque foi a própria instituição que publicou no seu site a lista dos clubes com filiados para o ano em causa, e deveria ter verificado unitariamente cada boletim de inscrição, pois tratava-se da 1ª licença; nem deve argumentar desconhecimento ou alheamento, porque tem sistematicamente apelado ao aumento de licenças, implementando até um programa específico para tal, com o fracasso que se sabe

Lamento que anteriormente (Estado/Governo ou quem de direito) não tivesse tomado medidas duras face ao tornado público pela imprensa que no caso do torneio da Póvoa de Varzim ou no que se passou no treino da selecção em plena representação do País, para dar um claro sinal de alerta a prevaricadores, que não estava disposto a pactuar com actos de insurreição, irregularidades ou ilegalidades e muito menos com envolvimento de cidadão estrangeiros

Devia ainda pedir o estado Português explicações ao Espanhol (não às federações) sobre o envolvimento da Federação Galega, porque não passa pela cabeça a ninguém em perfeito juízo, que espanhóis individualmente se filiassem em Portugal, preenchendo boletins, recorrendo a exames médicos, seguros desportivos, para no final de toda a trabalheira não porem cá os pés nem participarem em torneios do calendário nacional.

Quero acreditar que a passividade que se tem observado, se deve ao facto de despenalizar certo tipo de casos, e não porque a modalidade/federação não dão mediatização suficiente para amostragem política ou mesmo de interesse económico, aproveitada pela C. Social para poder vender e fazer mais algum encaixe financeiro com as contrapartidas óbvias para o Ministério das Finanças

Se os partidos políticos serão multados por irregularidades contabilísticas, pretendo pela minha parte uma auditoria do IDP, que tarda, porque ao fim de tantos anos a darem Verbas para a FEDE/ARS, o Estado tinha obrigação de auditar (esta e outras federações) para ficarem de consciência tranquila, e confirmarem que as verbas entregues foram legalmente e bem utilizadas, e que quem as utilizou lhes deu correcto emprego, e se de facto não se recebia dinheiro com base em estrangeiros, e nacionais que também os há, irregularmente e ilegalmente inscritos na FPT


 
Web Analytics