sexta-feira, agosto 31, 2012

Histérico...eu?


quinta-feira, agosto 30, 2012

vontade colectiva

Mais uma…


Reformas geram sempre "gritaria" por parte de "interesses estabelecidos" 
O economista António Borges afirmou hoje que a resistência à mudança dos interesses estabelecidos gera níveis de "polémica" e "gritaria" que nem sempre coincidem com a "vontade colectiva", mas que em países como a Grécia bloqueiam as reformas necessárias. 

* Não percebo, dado que fala em “vontade colectiva” não ter proposto um referendo (!)

sexta-feira, agosto 24, 2012

O NOVA COMÉDIA...!

Depois de escutar tanto disparate (político) não podia de deixar de postar do Grande Antero, a Divina Comédia.


CHEQUES BENEVOLENTES.

Que nos restará, e a mim, ò Mestre?
- Por acaso não será, ver-te actual
como q' invocando perfídias sem igual
e a dizer: Que sirva o que vos reste!

Nem os deuses sobreviverão à cobiça,
às bombas criadas pela ciência
com destino atribuído em consciência
entre tratados assinados à luz mortiça

Morto o Diabo eliminada a concorrência
retomaremos tempos d' escravatura,
em que pobres a outros Pobres servirão

para q’ estes sirvam um Deus-patrão
garantindo «democrática ditadura»
a troco de cheques, por benevolência.

Cito Loio

segunda-feira, agosto 20, 2012

Vencendo telhados e barrocas


Agosto começa a definhar, e percebo que certa acalmia que se fez sentir em meu redor foi insuficiente para evitar que concluisse que queria ser velho na entrada da vida para ganhar experiência, depois na meia idade governar com sabedoria e ponderação, mais tarde desbundar ao som Marley e finalmente colocar a minha boina de Che e correr atrás dos matondos vencendo telhados e barrocas.
Porque não me impediste de crescer sem ti...

domingo, agosto 19, 2012

sábado, agosto 18, 2012

Grécia paga...!

Sem palavras...Grécia afinal paga e continuam a dançar...


sexta-feira, agosto 17, 2012

Que nos resta agora?


TÃO DISTANTE!

Que império no fundo tivemos,
que criadores de monstros não soubemos
amansar a besta humana,
esta, que ficou aquém da Taprobana

Nós que vimos rios a partir do mar
pássaros fazerem ninho no dorso
de rinocerontes, sem alegórico corso,
vendo o filme, “advinha quem vem jantar”

Que territórios afinal não mantivemos,
e por escondido, nunca dissemos
o tamanho e a cor do sofrimento
previsto que não fora tanto agastamento.

Nós que idos, aprisionámos o próprio ar
só para cumprir mandatos reais
entre choros de hienas e latidos de chacais
perecemos, longe desse tempo impar

Adormecidos, longa viagem sem Stop
vimo-nos parados frente a um Shop!
_ Frente a nós a Gare do presente
dentro, sentimos tratar-se doutra gente

Do império (pensei) já nada perdura
que outras caravelas se fazem à conquista
de paraísos achados em páginas de revista
de onde retiraram a amargura

Por cansado faço uma pausa!
_ perguntem-se sobre a vera causa
deste remoer constante!
(c’ sotaque brasileiro)
- Senhor, porque está tão distante?

Olhei-o como se (ele) fosse D Pedro
pedaço da pátria, há séculos emancipada
filho do amor a bordo duma jangada
prova viva dum acto sem medo

- Aqui, por resposta, sou mais do que eu,
como tu, totalidade de quem me concebeu,
somatório de duas partes separadas
pela cobiça, e pelas forças armadas!

Cito Loio
13 a 17 de Agosto 2012










quarta-feira, agosto 15, 2012

segunda-feira, agosto 13, 2012

De regresso ao Norte...!


PRESUMÍVEL RÉU E JUIZ.

Apaixonado fui rio de águas revoltas
galgando os leitos num só sentido;
_ por bem emergi das estreitas margens
regando terras de camponeses
perante o inefável e efémero cultivo
de latifundiárias páginas da imaginação.

Por amor voei entre planetas por esculpir
compondo com trovões desarranjos
numa alma que de tão imaculada
se entregou ao inimaginável desespero
de querer mais do que um simples querer,
e silenciosa se afasta já da nascente.

Ó tanta beleza perdida para a dor!
Ó tantos sonhos findos por mal sonhar
enchem meu diário de menino e poeta!
Ó que calma, no momento, percebo agora,
em que m’ aproximo do sono eterno
onde esconderei más fundadas alegrias.

Sereno e imaginando-me já adentro tumba
buscando no escuro a absolvição,
legarei à humanidade estes meus escritos
onde rasurei, consentida assinatura,
a única tese que não carecia despacho
por presumível, nela ser juiz e réu.

Cito Loio


domingo, agosto 12, 2012

sábado, agosto 11, 2012

Bom Fim de semana !


POR DE RESTO
É clara esta vontade e manifesto,
não pretender a solidão só por resto,
ter a cada manhã um abraço carinhoso
deixando que me percebas ansioso

Mais, quero ver-te retocar o teu retrato,
beijar-te sem ter de ficar grato
por eufórico, duma noite passageira
retratada num quarto, e tu ligeira!

Que me queiras como te quero,
e não me pintes quando desespero
por desligadas todas as estrelas

Mas se tiver de ser como queres
vê, cuidadosa, se a vista não ma feres
que acesas as estrelas, quero revê-las.

 Cito Loio


quinta-feira, agosto 09, 2012

E vou envelhecendo...

Sem corantes nem conservantes e tirada no dia 8 de Agosto de 2012.


terça-feira, agosto 07, 2012

Esquinas perigosas

ERA D’ ESQUINA

Recordei o slow que Rosalina dançou
agarradinha, e não sentindo nada
perguntou: a coisa está aposentada?

Ah! Não digas que gripou
que ganhou com a chuva ferrugem
ou ainda só tens “pinugem”

Corado, Francisquinho lá balbuciou
perante (pensou) tão reles papoila
que se dava a finos ares de moçoila.

Como vulcão flamejante, ripostou
numa voz grave e erguida;
_ vai-te catar sua osga lambida

Antes de findo o baile a bichona gozou,
dizendo alto para q’ o ouvisse Rosalina:
- Abala, antes que te ocupem a esquina

Cito Loio

 

domingo, agosto 05, 2012

No fundo tudo é igual


  
Non avrai altro Dio all'infuori di me,
spesso mi ha fatto pensare:
genti diverse venute dall'est
dicevan che in fondo era uguale....



quinta-feira, agosto 02, 2012

 
Web Analytics